Paraguai e sua história política

Palestra da professora de História da Pontifícia Universidade de São Paulo, DRA. MARIA ANGELICA VICTÓRIA MIGUELA CAREAGA SOLER. (Falecida tragicamente na cidade de São Paulo na noite do sábado 13 de agosto de 2011)

A Profa. Dra. Angelica Careaga Soler sendo entrevistada pela jornalista Marilú Cabañas. Radio Cultura FM SP

A Profa. Dra. Angelica Careaga Soler sendo entrevistada pela jornalista Marilú Cabañas. Radio Cultura FM SP

Esta apresentação foi realizada no dia 29 de abril 2010 na PUC SP a través do Núcleo de Estudos da Mulher e do Núcleo Cultural Guarani “Paraguay Teete” e pretende abordar um panorama histórico do Paraguai a partir do Governo do Dr. Gaspar Rodríguez de Francia até os dias atuais.

Governo do Dr. Gaspar Rodríguez de Francia: (nasce na cidade de Jaguarão, 1776Assunção, 20 de setembro de 1840) foi um teólogo, advogado, revolucionário e político paraguaio. Ocupou vários cargos no Governo independente, sendo primeiramente Secretário da Junta, depois Cônsul, juntamente com o comandante militar Fulgencio Yegros. Pela Assembleia foi nomeado Ditador Temporário e finalmente, em 1816, Ditador Perpétuo da República do Paraguai.

O objetivo principal do governo de Rodríguez de Francia foi a consolidaçâo da independência e a defesa da integridade territorial do Paraguai. Por isso, reivindicou, contra Buenos Aires, o direito da livre navegaçâo nos rios da região, especialmente no Prata, a fim de evitar o controle de suas relações externas pelos vizinhos. A sua política de isolamento ante a anarquia que reinava nos estados vizinhos incluiu proibir os compatriotas e mesmo os estrangeiros de sair do país. Para emigrar, era necessário um passaporte especial por ele concedido pessoalmente. Rodríguez de Francia criou uma sólida convicçâo cidadã da Independência Nacional, e a consciência do auto abastecimento, incrementando a agricultura, a pecuária, os trabalhos artesanais e a indústria têxtil. É o personagem principal do romance “Eu o Supremo“, do escritor paraguaio Augusto Roa Bastos, obra com que foi agraciado com o Prêmio Miguel de Cervantes da Literatura Espanhola em 1989. Está traduzido em mais de 25 idiomas.

José Gaspar Rodríguez de Francia, o pai da Independência paraguaia

José Gaspar Rodríguez de Francia, o pai da Independência paraguaia

A Independência do Paraguai, 14 e 15 de maio de 1.811: À medida que Buenos Aires tornava-se mais poderosa, os líderes paraguaios insurgiam-se contra o declínio da importância de sua província e, embora também contestassem a autoridade espanhola, recusaram-se a aceitar a declaração de independência da Argentina (1810) como extensiva ao Paraguai. Nem mesmo a intervenção de um exército argentino, comandado pelo general Manuel Belgrano, conseguiu efetivar a incorporação da província. Mais tarde, porém, quando o governador espanhol do Paraguai solicitou auxílio português para defender a colônia dos ataques de Buenos Aires, os paraguaios, liderados por Gaspar Rodríguez de Francia, Fulgencio Yegros, Pedro Juan Caballero e Vicente Ignácio Iturbe, depuseram o governador Bernardo Velasco e proclamaram a independência do país a 14 de maio de 1811.

A independência do Paraguai. 14 e 15 de maio de 1811.

A independência do Paraguai. 14 e 15 de maio de 1811.

Era dos López:

Casa dos López, hoje Palacio do Governo Paraguaio

Casa dos López, hoje Palacio do Governo Paraguaio

  1. Carlos Antonio Lopez: nasceu em Assunção, 4 de Novembro de 1790 e faleceu em Assunção no dia 10 de Setembro de 1862. Foi um político paraguaio, presidente de seu país. Era pai de Francisco Solano López. Na presidência, impulsionou obras públicas, estruturou o exército e a marinha. Em 1848 decretou o fim das missões no Paraguai e estendeu aos índios a condição de cidadãos. Foi responsável pela modernização e abertura internacional em seu país, entre as décadas de 1840 e 1860.
  2. Marechal Francisco Solano López: Francisco Solano López Carrillo mais tarde, Marechal (nasceu em Assunção no dia 24 de julho de 1826 e faleceu em Cerro Corá no dia 1 de março de 1870). Foi o 2º Presidente constitucional da República do Paraguai entre 1862 e 1870. Desempenhou-se como comandante em chefe das Forças Armadas, presidente e chefe supremo da nação paraguaia durante a Guerra do Paraguai. Sucedeu a seu pai Carlos Antonio López como presidente, que lhe tinha deixado a seu filho uma nação próspera. De acordo à Constituição de 1844, o Congresso elegeu-o Presidente da República por um período de 10 anos.
  3. Madame Elisa Alicia Lynch: Alice Elizabeth Lynch, conhecida como Elisa Lynch (Condado de Cork, Irlanda, 1835 – Paris, França, 26 de julho de 1886) era uma figura pública na história do Paraguai, que serviu como primeira-dama durante o governo de Francisco Solano Lopez (1862 – 1870), a quem acompanhou até sua morte. Aos 19 anos, em um baile dado nas Tulherias por Napoleão III, Elisa conheceu Francisco Solano López, filho do presidente do Paraguai, Carlos Antonio Lopez, visitando Paris.
Madame Elisa Alicia Lynch

Madame Elisa Alicia Lynch

4. Guerra do Paraguai (1.864-1.870): A Guerra do Paraguai foi o maior conflito armado internacional ocorrido na América do Sul. Ela foi travada entre o Paraguai e a Tríplice Aliança, composta por Brasil, Argentina e Uruguai. A guerra estendeu-se de dezembro de 1864 a março de 1870. É também chamada Guerra da Tríplice Aliança (Guerra de la Triple Alianza), na Argentina e Uruguai, e de Guerra Grande, no Paraguai.

Governo Provisório e a Convenção Geral Constituinte: no dia 15 de agosto de 1870 reuniose uma assembleia, composta por 42 deputados. Sua obra maior foi a elaboração de uma constituição que durante muitos anos regeu os destinos da nação. A constituição foi solenemente jurada em toda a república no dia 25 de novembro de 1870. Ocupou o lugar da presidência da República Cirilo Antonio Rivarola e a Vice Pdcia. a Dom Caio Milton. A partir de deste período, até o inicio do século 20 (1870-1901) o Paraguai foi sendo reconstituído lentamente.

A partir de 1901 até 1935 o país passa por períodos de tumultos políticos onde o partido liberal e o partido colorado disputam o poder. Foi um período onde ambos partidos disputaram o poder político com pequenas revoltas que deixaram o país em situação de instabilidade constante.

Marechal Francisco Solano López

Marechal Francisco Solano López

1.932-1.935: A Guerra do Chaco: Foi um conflito armado entre a Bolívia e o Paraguai que se estendeu de 1932 a 1935. Originou-se pela disputa territorial da região do Chaco Boreal, tendo como uma das causas a descoberta de petróleo no sopé dos Andes. Deixou um saldo de 60 mil bolivianos e 30 mil paraguaios mortos, tendo resultado na derrota dos bolivianos com a perda e anexação de parte de seu território pelos paraguaios.

Guerra do Chaco (entre Paraguai e Bolívia, 1932-1935)

Guerra do Chaco (entre Paraguai e Bolívia, 1932-1935)

Quando termina a Guerra do Chaco era presidente do Paraguai o Dr. Eusébio Ayala do partido liberal. Depois de Ayala, assume o comando do pais o Coronel Rafael Franco como governo provisório a partir do 17 de fevereiro de 1936 a 13 de agosto de 1937, por meio de um golpe militar e por meio de outro golpe, foi destituído do cargo. Nesse mesmo ano é nomeado como presidente o Dr. Félix Paiva (1936-1940). Nesse mesmo ano assume o governo o Gral. Higinio Morínigo  (Paraguarí, 11 de janeiro de 1897Buenos Aires, 1985), foi um político e militar paraguaio. Foi presidente provisório e depois constitucional do Paraguai desde 7 de setembro de 1940 até 3 de junho de 1948, exercendo um regime autoritário e em 1947, levou o país a uma sangrenta guerra civil

Associação Febrerista: Ao termino da Guerra do Chaco (1936), o Coronel Rafael Franco reuniu o grupo de jovens que haviam participado da luta e tinham como ideal uma sociedade democrática e igualitária para o pais e também para acabar com a hegemonia dos partidos colorados e liberal. Como partido foi oficializado em setembro de 1951em Buenos Aires, Argentina pelos simpatizantes que já estão no exílio a causa da guerra civil de 1947 durante o governo do Gral. Higinio Morínigo

Guerra Civil do ano 1947: Teve inicio no dia 7 de março de 1947 quando o líder febrerista René Speratti atacou a sede da policia da capital, procurando alcançar os objetivos do partido que eram uma sociedade justa e igualitária. A Guerra finalizou o 19 de agosto de 1947, durou 5 meses. Triunfou o governo do General Higinio Morínigo, apoiado pelos colorados. Em 3 de junho de 1948 foi derrocado o Morinigo pelos seus correligionários deixando o poder o 15 de agosto de 1947 quando asume a presidência o intelectual Juan Natalício González: (Villarica, 8 de setembro de 1897México, 16 de dezembro de 1966) foi um jornalista e político paraguaio, presidente da República de 16 de agosto de 1948 até 30 de janeiro de 1949. Durante seu governo ocorreu a estatização da Compañía Americana de Luz y Tracción (CALT), que se tornou a Ande. Foi derrubado por um golpe de estado liderado por Felipe Benigno Molas López (1901Assunção, 17 de novembro de 1954) foi um político paraguaio, presidente do país de 27 de fevereiro de 1949 até 11 de setembro de 1949.

Federico Chaves Careaga (15 de fevereiro de 188224 de abril de 1978) foi um político e militar paraguaio, presidente do Paraguai de 1949 a 1954. Filho de Federico Chaves, português, e de Felicia Caraega, guarani. Recebeu o Doutorado em Direito em 1905, foi líder do Partido Colorado, quando seu partido serviu em um governo de coalizão. Foi embaixador e ministro de Assuntos Exteriores. Em 1949 tornou-se presidente da República. Eleito constitucionalmente em 1950 e 1953, levou a cabo uma política nacionalista e de reformas sociais e econômicas, contrárias à opinião do Fundo Monetário Internacional. Foi derrocado por um golpe de estado em 1954 liderado pelo então Cnel. Alfredo Stroessner.

Tomás Romero Pereira (Encarnación, 18861982) foi um político paraguaio, presidente provisório do Paraguai de maio a agosto de 1954. Assinou o “Libro Rojo” para afiliar-se ao Partido Colorado (A.N.R) estando no exílio com o Gal. Bernardino Caballero. Foi embaixador do Paraguai na França. Na volta, assume a presidência do Partido Colorado, estando o governo nas mãos do Partido Liberal. Na Guerra do Chaco (19321935) chama a seus correligionários a deixar de lado as diferenças e integrar-se à defesa nacional e se apresenta imediatamente ante o Presidente Eusebio Ayala para solicitar sua incorporação ao Exército Paraguaio. O chefe do Exército (então General) José Félix Estigarribia decide nomeá-lo Chefe de Inteligência do Estado Maior.

Nos primeiros anos da década de 1950 volta a assumir a presidência de seu partido. Depois da queda do presidente Federico Chaves em 4 de maio de 1954 por um movimento liderado pelo Cnel. Stroessner, o Paraguai esteve durante 4 dias em situação de acefalia enquanto eram realizadas intensas negociações políticas depois das quais finalmente Romero Pereira assume como presidente provisório até as eleições de agosto. Seu mandato terminou em 15 de agosto de 1954, quando passou o comando a Alfredo Stroessner.

Alfredo Stroessner Matiauda (Encarnación, 3 de novembro de 1912Brasília, 16 de agosto de 2006) foi um político, general de exército e presidente do Paraguai entre 1954 e 1989. Stroessner tornou-se comandante do exército paraguaio e em 1954 alcançou o posto de general-de-divisão, tirando Federico Chávez da presidência com um golpe de estado militar. Stroessner tornou-se presidente e foi reeleito, em pleitos marcados pela fraude, por 7 mandatos consecutivos (em 1958, 1963, 1968, 1973, 1978, 1983 e 1988), desfrutando por 35 anos do mais longo governo na América Latina, no século XX, depois de Fidel Castro. Em 1989, após 35 anos de governo, Stroessner foi derrubado por um golpe de Estado, liderado pelo general Andrés Rodríguez, seu co-sogro, sendo expulso para o Brasil, onde viveu exilado até sua morte.

A cidade de Porto Flor de Lis foi renomeada Porto Stroessner em sua honra mas, em 1989, foi renomeada Cidade do Leste.

Andrés Rodríguez Pedotti: nasceu em San Salvador, Dpto. Do Guairá no dia 19 de junho de 1923 e faleceu em Nova Iorque no dia 21 de abril de 1997. Foi um político e militar paraguaio, presidente provisório e depois constitucional de seu país desde 3 de fevereiro de 1989 até 15 de agosto de 1993.

Juan Carlos María Wasmosy Monti: nasceu em Assunção o dia 15 de dezembro de 1938, é um empresário, engenheiro e político paraguaio, que foi presidente de seu país desde 15 de agosto de 1993 até 15 de agosto de 1998. Foi eleito pelo Partido Colorado, sendo o primeiro presidente civil após a presidência de Alfredo Stroessner e o primeiro eleito democraticamente, desde 1811.

Raúl Alberto Cubas Grau: nasceu em Assunção, Paraguai, 23 de agosto de 1943. É um político e engenheiro paraguaio. Foi presidente de seu país entre 15 de agosto de 1998 a 23 de março de 1999. Renunciou após o assassinato de seu vice-presidente, Luis María Argaña. Após sua renúncia, Cubas exilou-se no Brasil no dia 29 de março de 1999 e pediu asilo ao governo Fernando Henrique Cardoso, tendo residido em Balneário Camboriú e depois em Curitiba[1]. Um dos homens mais ricos de seu país, Cubas era dono da Construtora 14 de Julio, uma das que participaram da construção da hidrelétrica de Itaipu[1].

Luis Ángel González Macchi: nasceu em Assunção no dia 13 de dezembro de 1947. É um político e advogado paraguaio. Foi deputado nacional, senador e presidente da República do Paraguai (de março de 1999 a agosto de 2003). Como presidente do Senado, e segundo sucessor constitucional para a Presidência da República, foi empossado no governo do país em 29 de março de 1999, seis dias depois do assassinato do vice-Presidente Luis María Argaña e da subsequente renúncia do então Presidente, Raúl Cubas Grau.

Óscar Nicanor Duarte Frutos: nasceu na cidade de Coronel Oviedo a capital do Dpto. De Caaguazú no dia 11 de outubro de 1956. É um político paraguaio, presidente da República desde 2003, o primeiro que não professa a religião católica. Nicanor Duarte Frutos é Presidente da República do Paraguai, depois de vencer as eleições gerais em abril de 2003 com 37,1% dos votos como candidato do Partido Colorado, grupo político que governa interrompidamente este país desde 1947.

Fernando Armindo Lugo Méndez: nasceu em São Pedro do Paraná, Dpto. De Itapúa no dia 30 de maio de 1951. É um ex-bispo católico, ex-ativista político e atual presidente do Paraguai. Em 20 de abril, logo após o encerramento da votação, a esquerda paraguaia festejou a vitória do bispo Fernando Lugo, líder da Alianza Patriótica para el Cambio (APC), dada como certa, segundo as pesquisas de boca de urna. Às 21h40 (22h40 de Brasília), com mais de 90% dos votos apurados, o TSJE (Tribunal Superior de Justiça Eleitoral) anunciou oficialmente a vitória de Lugo, com 40,83% dos votos.

Cidade del Este:

Cidade del Este, Departamento Alto Paraná, Paraguai

Cidade del Este, Departamento Alto Paraná, Paraguai

 (“Cidade do Leste”, em espanhol) é um distrito do Paraguai, capital do departamento de Alto Paraná é fundada no dia 3 de fevereiro de 1957 pelo então presidente da República Alfredo Stroesnner após de 3 anos de seu mandato permitindo a entrada de coreanos, chineses e dos brasiguayos.

No caso dos asiáticos: Stroessner permitiu que eles comerciassem livremente os produtos vindos da Ásia convertendo Cidade do Leste num paraíso da ilegalidade. Neste caso o governo militar serviasse, nutriasse e aproveitava os lucros compartindo desse comercio ilegal com os asiáticos. Este fato levou a que o Paraguai fosse conhecido como o pais do contrabando. Esta ilegalidade foi crescendo até chegar aos carros roubados no Brasil e sendo vendidos no Paraguai. Este cuadro merece um especial destaque porque descaracteriza a verdadeira história do Paraguai e a luta do povo pela democracia, pela Justiça Social e o combate a corrupção.

Situada no extremo leste do país, a cidade foi fundada em 1957 com nome de Puerto Flor de Lís. Renomeada de Puerto Stroessner no período da ditadura paraguaia. Ganhou o nome atual após a queda do regime ditatorial do general Stroessner.

A cidade faz parte de um triângulo internacional conhecido na região como Tríplice Fronteira, que envolve também Foz do Iguaçu, no estado brasileiro do Paraná, e Puerto Iguazú, na província argentina de Misiones. As três cidades são separadas uma das outras pelo Rio Paraná e pelo Rio Iguaçú.

A cidade é responsável por metade do PIB paraguaio; é a terceira maior zona de comércio franca do mundo (após Miami e Hong Kong), cujos clientes na maioria são brasileiros atraídos pelos baixos preços dos produtos vendidos na cidade. Além disso, a cidade é o quartel-general da Itaipu Binacional, junto com Foz do Iguaçu. A venda de eletricidade da usina hidrelétrica de Itaipú para o Brasil gera mais de trezentos milhões de dólares de renda anual para o país. Com mais de 320 mil habitantes, Cidade del Este é a segunda cidade mais populosa do Paraguai.

Os brasiguaios ou brasilguaios

20 de julho, Brasiguaios comemorando a festa da costela, Naranjal, departamento Alto Paraná
20 de julho, Brasiguaios comemorando a festa da costela, Naranjal, departamento Alto Paraná

São brasileiros (e seus descendentes) estabelecidos em território da República do Paraguai, em áreas fronteiriças com o Brasil, principalmente nas regiões chamadas Canindeyú e Alto Paraná, no sudeste do Paraguai. Estimados em 350 mil, são em sua maioria agricultores de origem alemã, italiana ou eslava, e falam o idioma português. O nome origina-se na junçãodas palavras “brasileiro” e “paraguaio”. No ano de 1943 não viviam mais do que 500 fazendeiros em todo o Paraguai. Entre 1950 e 1970 o percentual de brasileiros na população paraguaia permaneceu constante entre 3 e 4 por cento. A partir de 1970 começou a imigração maciça de brasileiros, a maioria do Estado do Paraná. O termo surgiu quando – com a construção da hidrelétrica de Itaipu – os agricultores que tiveram suas propriedades invadidas pelo espelho d’água da barragem receberam indenizações insuficientes para a compra de novas terras no Brasil. Optaram por deslocar-se ao vizinho Paraguai onde as terras eram cerca de 8 vezes mais baratas. Além disso, no ano de 1967, o governo paraguaio abolira uma lei que proibia a compra por estrangeiros de terras na faixa de150 km de suas fronteiras. Um fator adicional a estimular a migração a partir do Paraná foi a crescente mecanização da produção de soja naquele Estado, que resultou na concentração de extensas áreas de plantio na posse de grandes empresas. Os pequenos agricultores brasileiros buscaram então as terras mais baratas do outro lado da fronteira.

MARIA ANGELICA VICTÓRIA MIGUELA CAREAGA SOLER, era integrante do Núcleo Cultural Guarani “Paraguay Teete” professora de história, paraguaia, nascida em Assunção, no dia 29 de setembro de 1.936. Morou no Brasil desde os 3 anos de edade, mas nunca deixou de estar ligada ao Paraguai.

Anúncios

Sobre paraguaiteete

O Núcleo Cultural Guarani “Paraguay Teete” nasceu em junho de 2009 em São Paulo, Brasil, da mão de admiradores da cultura guarani residentes nessa cidade para difundir a rica cultura da República do Paraguai. Dentre os principais objetivos do Núcleo, podemos destacar: 1. Gerar uma imagem diferente daquela que muitos brasileiros têm do país (como por exemplo, a ideia de que o Paraguai se reduz a Ciudad del Este) por meios de eventos culturais tais como apresentações de documentários, palestras, gastronomia, música e cursos. 2. Fortalecer a identidade cultural de paraguaios e descendentes residentes no Brasil por meio da difusão permanente da cultura e da língua Guarani. 3. Proporcionar espaços e contatos para os profissionais paraguaios das diferentes modalidades artísticas, dando-lhes a possibilidade de ter acesso ao rico circuito cultural brasileiro e, em contrapartida, oferecer a mesma oportunidade para brasileiros que queiram conhecer ou desfrutar da autêntica cultura paraguaia. 4. Defender a dignidade, a imagem e a história do Paraguai e dos seus descendentes perante situações discriminatórias, tratos pejorativos, piadas e chacotas que a mídia do Brasil vem produzindo constantemente. 5. Acionar a Polícia Federal contra criminoso que usam a internet para caluniar com comentários racistas que violem a Lei Nº 7.716/89: Art. 1° diz “Serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”. Assim como o Art. 20° que diz “Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”. El Núcleo en castellano: El Núcleo Cultural Guaraní "Paraguay Teete" nació en junio de 2009 en la ciudad de São Paulo, Brasil, de la mano de admiradores de la cultura guarani residentes en esta ciudad para difundir la rica cultura de la República del Paraguay. Entre los objetivos se encuentran: 1. Generar una imagen diferente de la que los brasileños tienen del país (entre otras ideas de que piensan que Paraguay se reduce a Ciudad del Este). 2. Fortalecer la identidad cultural del paraguayo y de sus desendientes residentes en el Brasil a través de la difusión permanente de la Cultura Guaraní resaltando siempre el idioma Guaraní. 3. Proporcionar espacios y contactos para los profesionales de las diferentes modalidades artísticas, dándoles la posibilidad de acceder al rico circuito cultural brasileño y a
Esse post foi publicado em Cultura, Prensa / Imprensa e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Paraguai e sua história política

  1. xiru loko disse:

    bela bosta esse blog sao uns corruptos, enchem nossa juventude de maconha e ainda querem respeito?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s