Estudo do guarani será adotado na Universidade da Integração

O idioma guarani será disciplina obrigatória no curso de letras, artes e mediação cultural da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila). Terá dois anos de duração e começa a ser oferecido neste ano para todas as turmas.

De acordo com a coordenadora da implantação da disciplina, Alai Diniz, diversos fatores motivaram a Unila a desenvolver o projeto. Primeiro, porque o idioma guarani é falado em quatro países da América do Sul – Paraguai, Bolívia, Argentina e Brasil – que estão entre as nações de atuação da universidade, além de ser língua oficial do Paraguai desde 1992, junto com o espanhol, e língua oficial do Mercosul, desde 2007.

No Brasil, explica, o idioma é falado em municípios dos estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Paraná e São Paulo. Outra razão citada pela coordenadora é o caráter versátil e integrador da universidade.

O estudo do guarani, segundo Alai, começa como disciplina curricular obrigatória no curso de letras, artes e mediação cultural, mas dentro de uma década deve abrir um campo de pesquisas que vai interessar a estudantes e profissionais da América do Sul. A nova disciplina será ensinada pelo professor Mário Ramão Villalva Filho, mestre em Integração da América Latina pela Universidade de São Paulo (USP), e graduado em língua guarani, no Paraguai, pelo Ateneo de Lengua y Cultura Guaraní. Villalva foi aprovado em concurso público da Unila e começa trabalhar neste semestre.

Barreiras – Mas até tornar obrigatório o estudo do guarani no curso de letras da Unila, Alai Diniz diz que foi preciso vencer algumas barreiras entre professores e estudantes da instituição, debate que durou cerca de dois meses. Entre os alunos, a principal pergunta era por que aprender guarani, língua que eles consideravam sem interesse profissional e de abrangência reduzida.

Um dos instrumentos usados para esclarecer dúvidas e mostrar a importância da língua na história da maior parte do continente sul-americano foi a abertura de um curso de extensão ministrado em 2011. O curso foi coordenado por um estudante da Unila, com graduação em guarani.

Segundo Alai, que também fez a extensão universitária, ao final da formação os estudantes mudaram a concepção que tinham da língua. Para encerrar o curso, a turma encenou uma peça de teatro no idioma guarani que foi apresentada a estudantes e professores na universidade.

Integração – Elemento de integração social e de defesa, o guarani foi fundamental na resistência dos combatentes durante a Guerra do Paraguai (de 1864 a 1870), enfrentamento que envolveu o país e a Tríplice Aliança formada por Brasil, Argentina e Uruguai. Neste episódio, explica Alai, os paraguaios se valeram da língua materna, então desconhecida pela maioria dos opositores, para construir estratégias e enfrentar o exército. Na Guerra do Chaco (1932-1935), conflito armado que envolveu o Paraguai e a Bolívia, o guarani também foi fundamental.

O quéchua, idioma falado por grupos étnicos em diversos países na região dos Andes, e o aimará, que predomina no Peru, Bolívia, Chile e Argentina, são os próximos idiomas a serem oferecidos aos estudantes da Unila.

A professora Alai é doutora em letras (língua espanhola e literatura espanhola e hispano-americana) pela Universidade de São Paulo (USP),  pós-doutora pela Universidade de Granada, na Espanha, e professora visitante sênior na Unila.

Unila – Instituição de ensino superior criada por lei em janeiro de 2010, a Universidade Federal da Integração Latino-Americana tem sede em Foz do Iguaçu (PR). Além de estudantes brasileiros, a instituição recebeu até 2011 alunos vindos da Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile, Bolívia e Peru. No processo seletivo de 2012, também ingressam em cursos superiores estudantes da Colômbia, Venezuela, El Salvador, Nicarágua e Haiti. As matrículas do primeiro semestre devem ser feitas até esta sexta-feira, 2, e as aulas começam no dia 12 deste mês.

Ionice Lorenzoni

Conheçao portal da Unila.

Aulas de idioma guaraní na Universidade de Sao Paulo

Anúncios

Sobre paraguaiteete

O Núcleo Cultural Guarani “Paraguay Teete” nasceu em junho de 2009 em São Paulo, Brasil, da mão de admiradores da cultura guarani residentes nessa cidade para difundir a rica cultura da República do Paraguai. Dentre os principais objetivos do Núcleo, podemos destacar: 1. Gerar uma imagem diferente daquela que muitos brasileiros têm do país (como por exemplo, a ideia de que o Paraguai se reduz a Ciudad del Este) por meios de eventos culturais tais como apresentações de documentários, palestras, gastronomia, música e cursos. 2. Fortalecer a identidade cultural de paraguaios e descendentes residentes no Brasil por meio da difusão permanente da cultura e da língua Guarani. 3. Proporcionar espaços e contatos para os profissionais paraguaios das diferentes modalidades artísticas, dando-lhes a possibilidade de ter acesso ao rico circuito cultural brasileiro e, em contrapartida, oferecer a mesma oportunidade para brasileiros que queiram conhecer ou desfrutar da autêntica cultura paraguaia. 4. Defender a dignidade, a imagem e a história do Paraguai e dos seus descendentes perante situações discriminatórias, tratos pejorativos, piadas e chacotas que a mídia do Brasil vem produzindo constantemente. 5. Acionar a Polícia Federal contra criminoso que usam a internet para caluniar com comentários racistas que violem a Lei Nº 7.716/89: Art. 1° diz “Serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”. Assim como o Art. 20° que diz “Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”. El Núcleo en castellano: El Núcleo Cultural Guaraní "Paraguay Teete" nació en junio de 2009 en la ciudad de São Paulo, Brasil, de la mano de admiradores de la cultura guarani residentes en esta ciudad para difundir la rica cultura de la República del Paraguay. Entre los objetivos se encuentran: 1. Generar una imagen diferente de la que los brasileños tienen del país (entre otras ideas de que piensan que Paraguay se reduce a Ciudad del Este). 2. Fortalecer la identidad cultural del paraguayo y de sus desendientes residentes en el Brasil a través de la difusión permanente de la Cultura Guaraní resaltando siempre el idioma Guaraní. 3. Proporcionar espacios y contactos para los profesionales de las diferentes modalidades artísticas, dándoles la posibilidad de acceder al rico circuito cultural brasileño y a
Esse post foi publicado em Cultura, Guarani e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s