Tão perto e tão longe do Brasil, Paraguai é um país fascinante

295936_271654679515847_133574903323826_1203732_904318_n[1]

O cineasta Sylvio Back guarda uma paixão incontida pelo Paraguai. Já dirigiu dois documentários sobre o país, “República Guarani” (1982), no qual procurou desmistificar a evangelização promovida pelos jesuítas sobre os índios, e “Guerra do Brasil” (1987), sobre a Guerra da Tríplice Aliança, tema também de seu novo livro de contos.
Ele ainda programa, para 2013, filmar “Yo El Supremo”, inspirado no romance homônimo do escritor paraguaio Augusto Roa Bastos (1917-2005), cujo enredo gira em torno de José Gaspar Rodríguez de Francia (1766-1840), líder da independência paraguaia em 1811 e autointitulado ditador perpétuo do país.

À Folha ele contou por e-mail sobre sua relação com o Paraguai.
Folha – Você já dirigiu dois documentários nos anos 1980 e lançou recentemente um livro de crônicas envolvendo o Paraguai. Como surgiu seu interesse pelo país?
Sylvio Back – Além viajar com frequência ao Paraguai, à Argentina e ao Uruguai desde as pesquisas e filmagens de “República Guarani”, a partir de 1977, os livros de história e ficção sobre a Guerra do Paraguai foram me inoculando um roteiro como uma faca afiada que ficasse remoendo a carne em busca de algum filete de “aversão às versões”, digamos assim.

E o que de mais surpreendente você descobriu durante esses anos de pesquisa?
O Paraguai é um dos países mais fascinantes da América Latina. Tão próximo e tão longe do Brasil… Há quase quatro décadas fui tentado pela sua instigante cultura bilíngue e pela sua crônica civilizatória única e irrepetível no contexto político do continente. Da admiração livresca, fui aos fotogramas. Tanto que realizei dois filmes entre fins de 1970 e 1987.
Já deve ter ido muito ao Paraguai nos últimos anos.
Perdi a conta das vezes em que viajei para lá.

O que pessoalmente notou durante as suas primeiras viagens ao país?
Durante as pesquisas e nas filmagens de “República Guarani”, nos fins dos anos 70 e começo dos 80, e, depois, revisitando o teatro de operações da Guerra do Paraguai, uma história que parecia soterrada, em ambas as ocasiões, tive que me haver com a ditadura Stroessner. Essa é uma saga que não gostaria de me lembrar.
Atravessei um rubicão quase intransponível. Os perrengues se estenderam por meses. As dezenas de idas a Assunção até faziam sentido. Imagine, um brasileiro, teoricamente representante do vencedor, querendo fazer um filme, dito neutro, sobre a guerra que mudou a face humana e geopolítica do Paraguai. Nem pensar!

Sylvio PY
No Rio, o cineasta Sylvio Back, que já dirigiu dois documentários sobre o Paraguai.

E como fez para driblar esses perrengues?
Implicaram com o título, que originalmente era “La Guerra del Paraguay”, até a negativa para filmar nos sítios históricos da guerra, como Cerro Corá, Peribebuy, Humaitá, Tuiuty, Lomas Valentinas e mesmo Assunção. Eles me obrigaram a mudar o título para “La Guerra de Triple Alianza contra el Paraguay”. Tive que assinar um documento nesse sentido. Claro, como a produção era brasileira e os riscos todos meus, e sem vezo de provar nada diante de uma ditadura boçal como a de Stroessner -aliás, vamos combinar, qual a ditadura que não é boçal?-, na hora, concordei.

Recomendaria um roteiro turístico para conhecer o Paraguai multifacetado?
Eu apostaria numa estada de, no mínimo, dez dias. Primeiro, comece por explorar com os olhos, os sentidos e a mente um espetáculo encostado ao Brasil, que é o potente complexo hidráulico binacional Itaipu-Yacyretá e os seus refúgios ecológicos, brasileiros e paraguaios, vibrando com os ecos das majestosas quedas na fronteira tríplice de Foz do Iguaçu.
Já dentro do país, conheça, filme e fotografe as extraordinárias sobrevivências arquitetônicas das igrejas e casario colonial de Santiago, Jesús, San Ignácio Guazú, Trinidad e Santa Rosa. Não deixe de admirar a soberba estatuária barroco-guarani. É um conjunto cultural que ganhou o título de patrimônio da humanidade.

O que mais há de imperdível?
Programe-se para navegar e cavalgar, literalmente munido de todos os apetrechos para um turismo aquático, ecológico, desportivo e contemplativo por esse “oceano tropical” que é o Pantanal paraguaio. Tão inestimável e maravilhoso quanto o gomo brasileiro, leva você a um êxtase diante da natureza silvestre, com milhares de tuiuiús voejando sobre sua cabeça e centenas de jacarés “se bronzeando” às margens do rio Paraguai.
Vá e curta a cosmopolita Assunção, admirando as “muy guapas paraguaias” e “rubias” descendentes de espanhóis e imigrantes de todas as nações que adotaram o país como seu.

Texto publicado originalmente no caderno de Turismo da Folha de S. Paulo de 25 de agosto de 2011
http://www1.folha.uol.com.br/turismo/964720-tao-perto-e-tao-longe-do-brasil-paraguai-e-um-pais-fascinante.shtml

Anúncios

Sobre paraguaiteete

O Núcleo Cultural Guarani “Paraguay Teete” nasceu em junho de 2009 em São Paulo, Brasil, da mão de admiradores da cultura guarani residentes nessa cidade para difundir a rica cultura da República do Paraguai. Dentre os principais objetivos do Núcleo, podemos destacar: 1. Gerar uma imagem diferente daquela que muitos brasileiros têm do país (como por exemplo, a ideia de que o Paraguai se reduz a Ciudad del Este) por meios de eventos culturais tais como apresentações de documentários, palestras, gastronomia, música e cursos. 2. Fortalecer a identidade cultural de paraguaios e descendentes residentes no Brasil por meio da difusão permanente da cultura e da língua Guarani. 3. Proporcionar espaços e contatos para os profissionais paraguaios das diferentes modalidades artísticas, dando-lhes a possibilidade de ter acesso ao rico circuito cultural brasileiro e, em contrapartida, oferecer a mesma oportunidade para brasileiros que queiram conhecer ou desfrutar da autêntica cultura paraguaia. 4. Defender a dignidade, a imagem e a história do Paraguai e dos seus descendentes perante situações discriminatórias, tratos pejorativos, piadas e chacotas que a mídia do Brasil vem produzindo constantemente. 5. Acionar a Polícia Federal contra criminoso que usam a internet para caluniar com comentários racistas que violem a Lei Nº 7.716/89: Art. 1° diz “Serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”. Assim como o Art. 20° que diz “Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”. El Núcleo en castellano: El Núcleo Cultural Guaraní "Paraguay Teete" nació en junio de 2009 en la ciudad de São Paulo, Brasil, de la mano de admiradores de la cultura guarani residentes en esta ciudad para difundir la rica cultura de la República del Paraguay. Entre los objetivos se encuentran: 1. Generar una imagen diferente de la que los brasileños tienen del país (entre otras ideas de que piensan que Paraguay se reduce a Ciudad del Este). 2. Fortalecer la identidad cultural del paraguayo y de sus desendientes residentes en el Brasil a través de la difusión permanente de la Cultura Guaraní resaltando siempre el idioma Guaraní. 3. Proporcionar espacios y contactos para los profesionales de las diferentes modalidades artísticas, dándoles la posibilidad de acceder al rico circuito cultural brasileño y a
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s