A história de como a harpa se tornou paraguaia

A “paraguaização” deste anoso instrumento foi lenta. Saiba quem a introduziu ao nosso território, quais são suas peculiaridades e quem são seus máximos cultivadores. No dia 9 de junho se celebra seu dia.

Fonte: Última Hora (PY), 8 de junho de 2007.
Link: http://www.ultimahora.com/la-historia-como-el-arpa-se-volvio-paraguaya-n43382.html

As Sagradas Escrituras falam que a harpa já era executada pelo rei David. Seus inícios datam de milhares de anos e, desde sua origem, suas formas foram variadas.

No passado, existiam dois tipos de harpa: a angular, originária do Egito, e a arqueada, da África. A maioria de seus executores eram mulheres.

Através da literatura, sabe-se que esses instrumentos tinham vinte e duas cordas e que, durante o ano 600, tentou-se aperfeiçoá-la. Após vários e longos processos na Europa, e muito especialmente na Irlanda, Alemanha e Itália, sua ressonância, encordoamento e mecanismo sofreram algumas mudanças.

Acredita-se que este instrumento chegou ao continente americano com a Conquista espanhola. As crônicas recordam que, entre os que acompanhavam Sebastián Gaboto em sua viagem ao Rio da Prata, em 1526, chegou um tocador de harpa chamado Martín Niño.

As cordas adquiriram cidadanias na América, e no México, Peru, Venezuela, Chile e Argentina, a harpa é utilizada principalmente para acompanhamentos melódicos, e não como solista.

HARPA PARAGUAIA. Foi na terra guarani que a harpa impressionou o mestiço, mediante os ensinamentos recebidos nas missões jesuíticas e franciscanas. Simples em sua construção nas mãos dos indígenas, a harpa clássica começou a sofrer transformações. A harpa paraguaia nasceu da fusão das civilizações espanhola e indígena.

A evolução da harpa clássica não afetou a paraguaia, e um exemplo é a não adaptação dos pedais e cravelhas mecânicas, que, no caso da clássica, permitia a modulação em diversas tonalidades.

Embora tenha suas possibilidades abreviadas por não possuir a escala cromática originada por essas mudanças, a harpa paraguaia se beneficia pela sonoridade, claridade e consistência. Seus cultivadores, apesar de sua afinação diatônica, realizam seu aprendizado oralmente, de geração a geração, e utilizam as unhas em lugar da ponta dos dedos (como se executa na clássica).

Arpa Paraguaya
A tradicional harpa paraguaia, um dos maiores símbolos da cultura nacional. /Rediex.gov.py

EVOLUÇÃO. A harpa paraguaia teve uma rápida evolução. As que se recordam de inícios de 1900 eram construídas com madeiras comuns, de 28 ou 32 cordas. A princípio, eram de tripas de animais, mas logo foram substituídas pelas de nylon.

Em um dos lados da cabeceira estava o espaço para as cordas, que com o tempo foi coberto, fazendo as cordas ficarem no meio, assim como as cravelhas que se ajustam para afinar o instrumento.

Foi Félix Pérez Cardozo, considerado um dos maiores executores e compositores da harpa paraguaia, quem acrescentou mais quatro notas baixas ao instrumento (ou seja, cordas), além das 32 que tinha, para executar “Pájaro Campana”.

As 36 cordas ficaram famosas e eram as únicas utilizadas, até que o harpista e luthier Papi Galán introduziu 7 notas agudas mais, criando a de 43 cordas, que muitos já utilizam e é comercializada em maior quantidade no Japão, onde existem pelo menos 7.000 cultivadores da harpa paraguaia.

As diferenças

Várias são as diferenças entre a harpa clássica e a paraguaia, e cada uma tem uma característica especial. A harpa clássica conta com 47 cordas e sua coluna é de ferro. Pesa mais ou menos 30 quilogramas e é maior do que qualquer outro tipo de harpa. A harpa paraguaia é mais leve, pesa entre 5 e 8 quilos, tem 36 cordas e é totalmente de madeira.

A homenagem a Pérez Cardozo

No ano de 1997, a pedido do então Ministério de Educação e Cultura, o presidente Juan Carlos Wasmosy decretou que no dia 9 de junho de cada ano seria festejado o Dia da Harpa Paraguaia, em recordação ao aniversário de falecimento de Félix Pérez Cardozo.

O músico ficou na história da harpa paraguaia pelas mudanças que introduziu na construção do instrumento e por ter composto temas que formam parte do repertório popular, como “Llegada”, “Tren Lechero”, “Ánela Rosa”, “El Sueño de Angelita”, “Mi Despedida” e “María Elsa”, entre outros.

Além disso, este instrumento teve brilhantes cultivadores antes de Félix Pérez, como José del Rosario Diarte, Conché Ramírez, Tani Bordón e Pedro Rojas. Tempos depois surgiram Luis Bordón, Papi Galán, César Cataldo e muitos mais.

Confira o clássico “Pájaro Campana”, na interpretação do harpista Mariano González:

Anúncios

Sobre paraguaiteete

O Núcleo Cultural Guarani “Paraguay Teete” nasceu em junho de 2009 em São Paulo, Brasil, da mão de admiradores da cultura guarani residentes nessa cidade para difundir a rica cultura da República do Paraguai. Dentre os principais objetivos do Núcleo, podemos destacar: 1. Gerar uma imagem diferente daquela que muitos brasileiros têm do país (como por exemplo, a ideia de que o Paraguai se reduz a Ciudad del Este) por meios de eventos culturais tais como apresentações de documentários, palestras, gastronomia, música e cursos. 2. Fortalecer a identidade cultural de paraguaios e descendentes residentes no Brasil por meio da difusão permanente da cultura e da língua Guarani. 3. Proporcionar espaços e contatos para os profissionais paraguaios das diferentes modalidades artísticas, dando-lhes a possibilidade de ter acesso ao rico circuito cultural brasileiro e, em contrapartida, oferecer a mesma oportunidade para brasileiros que queiram conhecer ou desfrutar da autêntica cultura paraguaia. 4. Defender a dignidade, a imagem e a história do Paraguai e dos seus descendentes perante situações discriminatórias, tratos pejorativos, piadas e chacotas que a mídia do Brasil vem produzindo constantemente. 5. Acionar a Polícia Federal contra criminoso que usam a internet para caluniar com comentários racistas que violem a Lei Nº 7.716/89: Art. 1° diz “Serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”. Assim como o Art. 20° que diz “Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”. El Núcleo en castellano: El Núcleo Cultural Guaraní "Paraguay Teete" nació en junio de 2009 en la ciudad de São Paulo, Brasil, de la mano de admiradores de la cultura guarani residentes en esta ciudad para difundir la rica cultura de la República del Paraguay. Entre los objetivos se encuentran: 1. Generar una imagen diferente de la que los brasileños tienen del país (entre otras ideas de que piensan que Paraguay se reduce a Ciudad del Este). 2. Fortalecer la identidad cultural del paraguayo y de sus desendientes residentes en el Brasil a través de la difusión permanente de la Cultura Guaraní resaltando siempre el idioma Guaraní. 3. Proporcionar espacios y contactos para los profesionales de las diferentes modalidades artísticas, dándoles la posibilidad de acceder al rico circuito cultural brasileño y a
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s